A viagem da Nayara

            Não posso começar esse relato sem antes dizer um muito obrigada à Andressa. Suas dicas preciosas, em especial a dica co...



           
Não posso começar esse relato sem antes dizer um muito obrigada à Andressa. Suas dicas preciosas, em especial a dica com relação à agência do Tahiti que organizou nossa viagem, nos ajudou a ter a lua de mel dos sonhos, aproveitar ao máximo todas as ilhas, e não passar aperto em nenhum momento. Obrigada, Andressa! Seu blog é fenomenal, e sei que tive muita sorte de tê-lo descoberto quando decidimos ir ao Tahiti!


            Este lugar é tão incrível que parece que estamos o tempo todo vivendo um sonho. Fomos no final de Novembro / início de Dezembro (2016), e recomendo muito esta época. Pegamos quase nada de chuva, dias maravilhosos, e pouca gente por ser considerado já baixa temporada. 


Escolhemos ir por Santiago e ficar 2 semanas. Sinceramente, 1 semana é muito pouco. Quando acabou a primeira semana pensamos: não queríamos estar indo embora agora de jeito nenhum! Fora que é bem longe e a passagem não é das mais baratas, portanto vale a pena ficar um pouco mais!


Nosso itinerário foi: Papeete (apenas para a 1ª noite, já que nosso vôo chegou no início da madrugada), Rangiroa, Moorea, Tahaa/Raiatea e fechamos com a cereja do bolo: Bora Bora. Tivemos ainda a chance de conhecer Huahine, já que uma de nossas conexões foi lá e durou 6 horas. Não mudaria nem uma vírgula desse roteiro! Cada ilha tem suas particularidades, suas belezas e seus passeios. 


A chegada no aeroporto já é impactante: um grupo de músicos e dançarinos tahitianos animando a chegada em plena madrugada! Todos já ganham um colar de flores ali mesmo e você só imagina o que está por vir...


A ilha de Rangiroa é linda demais. A lagoa azul é um dos lugares mais paradisíacos do mundo, no meio do nada, praticamente intocado. Fora a imensa quantidade de filhotes de tubarões que ali ficam. Nunca imaginei que teria tanta proximidade com tubarões e arraias alguma vez na vida (algo muito comum no Tahiti), mas posso dizer para quem está indo não se preocupar com eles! Eles não são nada agressivos, e compõem a fantástica natureza do lugar. Escolhemos o Hotel Kia Ora, e ficamos 2 noites no villa com piscina e 2 no bungalow na praia. Simplesmente não acreditávamos nos quartos, no conforto, e na vista pro mar!


Em seguida fomos pra Moorea, e seguindo a dica da Andressa, ficamos no Sofitel, e dessa vez no bungalow sobre a água. A praia do hotel é deliciosa, e ficar sobre a água realmente foi uma experiência incrível. Sem explicações o que era acordar de manhã e simplesmente descer a escadinha do bungalow e dar um mergulho... fora assistir o por do sol de camarote todos os dias! Simplesmente incrível. Em Moorea fizemos nosso primeiro mergulho com cilindro. Foram 40 minutos de tirar o fôlego de tanta beleza!


Na conexão em Huahine fizemos um passeio com um guia local, e as 6 horas que passamos lá pudemos conhecer mais uma ilha sensacional, conhecer seus pontos históricos e suas praias mais encantadoras. Valeu cada segundo!


Em Tahaa/Raiatea (2 ilhas irmãs) ficamos no Raiatea Lodge Hotel. Hotel mais simples comparado aos outros, mas que não deixa nada a desejar. Pudemos conhecer as famosas plantações de baunilha e as fazendas de pérolas negras! Nesta ilha fizemos um passeio de snorkel pelos recifes de corais, uma das coisas mais lindas e impressionantes que eu já vi na vida! 


Por fim chegamos em Bora Bora. Sempre ouvi que deveria deixar o melhor pro final, mas não entendia como algum lugar era possível ser melhor ainda que tudo que já tínhamos passado até ali. Chegamos no Intercontinental Thalasso e percebemos que ali era realmente diferente de tudo que já havíamos vivido. Ao entrar no bungalow sobre a água então... meu Deus! Um lugar enorme, cheio de regalias, com uma vista para o Otemanu (o pico central da ilha) que era incansável! Fizemos um passeio de jet ski em volta do Otemanu, e outro de quadriciclo pelas montanhas, que nos proporcionaram vistas que terei muito claras pra sempre em minha memória.


Como é Polinésia Francesa, a comida é francesa e portanto come-se muito bem. Recomendo pegar o pacote com café da manhã e jantar, já que à noite as refeições são no próprio hotel – diga-se de passagem, muitas noites com show de dança tahitiana!       


Não preciso dizer que ir embora não foi algo fácil. A hospitalidade do lugar, a transparência da água, a beleza por todos os lados, a paz que você sente chegam realmente a fazer pensar que o paraíso existe, e está ali. Com certeza queremos voltar lá daqui uns anos!


Pra finalizar, queria deixar em evidência a dica mais preciosa que a Andressa me deu e que faço questão de reforçar: não vá ao Tahiti por agência brasileira. É absurdamente mais caro, e para hotéis / quartos inferiores. Isso fez toda a diferença!


Um abraço a todos!
Nayara




           

COMPARTILHE

TAGS:

sobre a autora

Posts Relacionados

0 comentários