Bora? Bora!

Luciana,  Muito obrigada por compartilhar tuas impressões do paraíso. Sempre organizo minha...


Luciana, 

Muito obrigada por compartilhar tuas impressões do paraíso.
Sempre organizo minhas viagens por conta, mas ao Tahiti acho razoável ter um by-stander porque é um lugar cheio de peculiaridades. Já pensou como teria sido complicado resolver a questão da greve sem o apoio da agência?
Sobre a ANVISA, isso precisa ser corrigido. Viajo ao Tahiti desde 2010 e jamais pediram a carteira de vacinação. Lembro bem de como isso te deixou tensa...
Que bom que tudo deu bem certo e que vocês curtiram a lua de mel nesse paraíso perfeito que é a Polinésia Francesa.
Muitas felicidades e alegrias ao casal. Que possam voltar loguinho!
Beijos, 
Andressa




           
             Olá Andressa,

Primeiramente, eu e meu marido gostaríamos de agradecer por toda atenção que você nos deu quando te enviei email com dúvidas e, também, por compartilhar conosco todas as suas dicas e os seus contatos. Todos os serviços que contratamos, com a sua ajuda, foram maravilhosos e graças a eles vivemos dias inesquecíveis na Polinésia Francesa.

Para começar, teve a questão da vacina contra febre amarela. A ANVISA localizada no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro dizia que era preciso estar vacinado para viajar para a Polinésia Francesa. Eu não queria tomar a vacina, por motivos pessoais, e você verificou com seus contatos, que disseram que ela não estava sendo exigida. De fato, em nenhum momento nos foi solicitado o certificado de vacinação.

Sobre a organização da viagem: Você nos passou o contato do Herald. Eu mandei um email para ele e quem me respondeu foi a Keely, com quem tratei tudo da viagem e foi muito atenciosa comigo. No início a gente fica um pouco receoso de fazer tudo a distância, mas valeu a pena confiar, porque tudo deu muito certo e até os imprevistos que surgiram foram resolvidos de uma forma muito eficiente pelo pessoal da agência
.
Nós optamos por fazer o cartão Ambassador e que maravilha que foi! Agradeço muito a você por essa dica e é uma dica valiosa para todos que querem ir à Polinésia Francesa e precisam economizar.

Nós optamos em ir para a Polinésia via Los Angeles. Compramos a passagem Rio de Janeiro – Los Angeles de milhas e a agência  incluiu a passagem Los Angeles – Tahiti no nosso pacote. Voamos para o Tahiti com a Air Tahiti Nui e foi um voo tranquilo. Ficamos surpresos porque o avião tocava uma música típica do Tahiti, era todo colorido, com estampas de flores. Foi um clima muito diferente. Foi servido jantar e cada poltrona tinha a sua tela com algumas opções de filmes atuais e todo aquele entretenimento que é oferecido nas telinhas!

Eu vi as dicas no blog e a princípio tinha pensado em ficar 1 noite em Papeete (porque realmente é necessário), 2 noites em Moorea e 4 noites em Bora Bora. Nessas 4 noites em Bora Bora eu ia dividir a estadia nos dois hotéis da rede Intercontinental, ficando 2 noites no Le Moana e 2 noites no Thalasso (que é mais caro). Mas, quando conversei sobre isso com a Keely, ela me informou que, por ter o cartão ambassador, se eu ficasse três noites num hotel intercontinental, a quarta noite seria de graça. Assim, o custo-benefício de ficarmos todas as 4 noites no hotel Thalasso foi melhor! Que maravilha que foi!

No nosso pacote tínhamos café da manhã e jantar incluído. Isso foi muito bom. Percebi que o café da manhã para duas pessoas custava aproximadamente 80 dólares americanos e o jantar para duas pessoas custava aproximadamente 150 dólares americanos (mais a bebida alcoólica).

Chegamos em Papeete as 22 horas. O aeroporto é bem quente. É um pouco desorganizado, mas todos estão tão animados porque estão chegando ao Tahiti, que nada é um problema. A imigração é tranquila, eles não fizeram nenhuma pergunta e nem pediram o certificado de vacina contra a febre amarela.

Nós compramos bebidas em Los Angeles para levar e uma coisa que observamos foi que os preços eram os mesmos no Duty Free na chegada em Papeete. Então, quem quiser pode deixar para comprar bebida lá.


Quando saímos no aeroporto tinha uma placa  com nossos nomes e os tradicionais colares de flores nos esperando. O funcionário da agência nos entregou todos os nossos vouchers e nos explicou tudo. Depois nos acompanhou até o ônibus que nos levou para o hotel.

Chegando ao Intercontinental Tahiti Resort tínhamos um fila separada para check-in por causa do cartão ambassador. Tivemos upgrade de quarto e algumas amenidades, como frutas, biscoitos e água mineral. Também ganhamos um “welcome drink” cada um.

O nosso quarto era amplo, muito confortável e com uma varanda com vista para o mar. Preciso dizer que o mar de Papeete não é o que esperamos da Polinésia Francesa, por isso, pesquise antes para ir preparado para o que irá encontrar! Não fique decepcionado, porque o melhor ainda está por vir!

O café da manhã é maravilhoso e com muita fartura! Tudo o que você deseja, irá encontrar. Caso o seu pacote inclua café da manhã, não se assuste ao receber uma conta. Ela é apenas para controle do hotel, basta assinar e devolver. O valor não será cobrado. Porém, nessa conta há um campo para você completar com o valor que deseja dar de gorjeta, este valor sim será cobrado na sua conta.

Nós optamos por pegar um transfer para o centro da cidade, que custou aproximadamente 5 dólares por pessoa. Uma van te busca no hotel, te leva para o centro e marca o horário e o local onde irá te buscar para retornar ao hotel. A cidade é muito pequena e caso você não queira comprar nada, essa ida ao centro é totalmente dispensável. Mas, se você quer conhecer a cultura local, comprar óleo de coco, por exemplo, ou pérolas, é recomendável ir ao centro de Papeete, porque os preços são melhores.

Voltamos para o hotel, ficamos na piscina e aproveitamos o horário diferenciado de check-out para quem possui o cartão ambassador, mas uma vantagem que compensa muito fazer esse cartão.

Nós tínhamos um transfer para nos levar para o ferry e também já tínhamos um voucher com as passagens do ferry para Moorea.

Chegamos em Moorea no final de tarde e fomos recepcionados no porto. O transfer nos levou para o hotel e o funcionário foi nos explicando algumas coisas da ilha no caminho. Mostrou-nos alguns restaurantes e os principais hotéis.

Preciso dizer que a imagem mais impressionante que já vimos foi no caminho para o hotel em Moorea. Anoiteceu e no meio da ilha, que tem aproximadamente 70km² e não é muito habitada, pudemos ver um céu com uma quantidade inimaginável de estrelas. Era literalmente um infinito de estrelas brilhando uma luz muito forte. Víamos estrelas cadentes, estrelas mais rosadas, amareladas e as brancas. Víamos um borrão de estrelas próximas que pareciam um clarão no céu. Foi inesquecível!

Nós nos hospedamos no hotel IC Moorea Resort & Spa. Também ganhamos “welcome drink” e amenidades no quarto. Ganhamos champagne no quarto, um litro de água mineral todos os dias, frutas e cosméticos locais.

O jantar no hotel era maravilhoso. Você sempre pode escolher uma opção de entrada, uma opção de prato principal e uma opção de sobremesa. O astral era impressionante.



Nós fizemos um passeio chamado “circle island tour” com duração de 3 horas. Uma van nos buscou no hotel no horário marcado. Mais dois casais fizeram esse passeio conosco. Conhecemos a ilha, a guia explicou sobre o funcionamento da ilha, sobre as atividades econômicas, sobre a cultura local. É imprescindível falar inglês ou francês para fazer esse passeio. Paramos em mirantes para tirar foto, fomos a uma fábrica de bebidas e provamos as bebidas.

Os mirantes são muito bonitos. Caso não queira fazer o passeio, recomendo alugar um carro para conhecer a ilha.



O que percebi sobre Moorea é que o hotel com a melhor localização é o Sofitel. O mar nessa parte da ilha é incrivelmente belo. O hotel Intercontinental não deixa a desejar em nada. O atendimento é maravilhoso, a comida é excelente. O hotel é calmo, tranquilo e com praias lindas.

No nosso roteiro pegaríamos um voo em Moorea e iríamos para Bora Bora. Porém, quando chegamos em Moorea fomos informados de que os funcionários da Air Tahiti estavam em greve e que os voos não estavam acontecendo.

Entrei em contato com a Keely, que me tranquilizou e disse que se a Air Tahiti não fosse operar o nosso voo, eles nos pegariam no hotel, nos forneceriam um bilhete de ferry para voltar para Papeete e nos levariam para o aeroporto para de lá voar para Bora Bora.


Assim aconteceu. Na nossa última noite o hotel nos entregou uma carta com todas as informações. Um ônibus da Air Tahiti nos buscou e nos levou para pegar o ferry, nos fornecendo a passagem. Em Papeete outro ônibus nos levou para o aeroporto e voamos para Bora Bora. Tudo foi muito simples, fomos muito bem informados e deu tudo certo. A única diferença foi que chegamos em Bora Bora um pouco mais tarde.

Eu fiquei muito agradecida com a Keely, atendente da agência de viagens, pela atenção que ela me deu nesses dias. Com essa situação, fiquei um pouco nervosa de algo dar errado e atrapalhar a nossa lua-de-mel, então, estava sempre em contato com ela, que me respondia no mesmo momento e sempre me tranquilizou.

Em Bora Bora havia um funcionário do Intercontinental nos esperando no aeroporto e um barco nos levou para o nosso hotel, o Intercontinental Bora Bora Resort & Thalasso Spa. Fomos muito bem recebidos e nunca vivi uma experiência como aquela.

Por causa do cartão ambassador, tínhamos uma garrafa de champagne nos esperando no quarto todos os dias, assim como dois litros de água mineral. Na primeira noite fomos recebidos com muitas frutas, uma bolsa, uma canga e cosméticos típicos da região.

O upgrade de quarto que tivemos (cartão ambassador), nos proporcionou um quarto com uma localização espetacular. Sobre os bangalôs, uma funcionária nos explicou que o interior dos quartos é o mesmo, o que muda é a localização. Os quartos mais caros são os bangalôs localizados na ponta da “ferradura” por terem uma privacidade maior.

O bangalô tem uma sala grande, com uma mesa com o chão de vidro. O quarto é incrível, com uma parede toda de vidro, em frente a cama, o que nos proporciona uma vista maravilhosa. O banheiro tem duas pias, uma banheira com vista para o mar, chuveiro amplo, closet com cofre. A varanda do quarto tem uma mesa com duas cadeiras e duas espreguiçadeiras. O deck tem um chuveirinho e uma escada para o mar. Acho que nenhuma viagem que eu venha a fazer irá superar o luxo, o conforto e, principalmente, a localização daquele quarto.

Todo dia nós víamos arraias embaixo do nosso quarto e no último dia vimos um tubarão, o que nos assustou um pouco.

O hotel disponibiliza toalhas, snorkel, pé de pato/nadadeiras, caiaque, stand up paddle, para serem utilizados pelos hóspedes a qualquer tempo. Tem uma programação de atividades do hotel interessantes. Um dia no jantar teve churrasco com um show de dança típica. Todos os dias às 14h eles alimentam as arraias na praia e é muito interessante participar.

O hotel tem três restaurantes com estilos diferentes de cardápio. Dois restaurantes estavam incluídos no nosso pacote. O terceiro, mais caro, não estava incluído. Os restaurantes eram maravilhosos. Numa das noites eles colocaram as mesas na areia da praia o que proporcionou um clima delicioso ao jantar.

O hotel disponibiliza transfer para o hotel Intercontinental Le Moana e para o centro (Vaitape) todos os dias, mas é preciso conferir a tabela de horários. O transfer em geral é gratuito, mas a noite, em alguns horários, é cobrada uma taxa.

Nós não fomos nenhum dia ao centro. Percebi que as pessoas iam muito para comprar bebidas, como água, e para fazer refeições por um preço menor. Como ganhávamos dois litros de água todos os dias e optamos por comer no hotel, não fomos ao centro nenhum dia.

Os nossos passeios saíram todos do hotel Le Moana, assim pegamos o transfer! Era muito fácil. Bastava chegar ao píer antes do horário de partida do barco. Não precisa de agendamento.

Percebi que o mar é diferente nesses dois hotéis, mas a diferença entre o luxo dos hotéis é gritante. Por isso, se você tiver a oportunidade de ficar todos os dias no Thalasso, acho que vale a pena. E se quiser ir a praia ou fazer snorkel um dia no Le Moana, basta utilizar o serviço de transfer gratuito (foi o que fizemos).


Nós fizemos o passeio “lagoon tour to meet sharks and rays aboard a canoe”. Um rapaz nos encontrou no hotel Le Moana e nos levou para uma casa. Ele fornece pé de pato/nadadeiras e snorkel (caso você não leve do hotel). Lá pegamos o barco com outro casal. Eramos 6 pessoas no barco.

A primeira parada foi para alimentar os tubarões e as arraias. É uma experiência assustadora! Mas foi divertida. São muitos tubarões. É importante ouvir com atenção as instruções do guia. Mais uma vez, é preciso falar inglês ou francês. Caso você não fale nenhuma dessas línguas, ficar muito atento na hora da alimentação dos tubarões. Ele avisa onde é melhor você se posicionar.

Prepare-se porque as arraias irão subir em você. Elas sobrem no guia para se alimentar, assim, acabam subindo em outras pessoas que são “confundidas” com o guia! Rs! Você vai querer se debater, mas lembre-se que os tubarões também estão ali, por isso, não faça movimentos bruscos.

Deu tudo certo no nosso mergulho! Contornamos uma parte da ilha e paramos num motu. Ficamos lá aproximadamente duas horas. O guia preparou um almoço, que tinha peixe, banana, mandioca, pão, frutas, ceviche... Tudo delicioso.


Depois do almoço partimos para mais um ponto de mergulho. Foi um lugar especial, onde o mar tinha uma cor azul incrível e com muitos peixes. Ficamos lá por aproximadamente 45 minutos e depois retornamos ao lugar de partida.

Esse passeio é imperdível! Se você só tem a possibilidade de fazer um passeio, sugiro que faça esse.

Também fizemos o passeio “circle island tour by jet sky”. Uma pessoa nos buscou no Le Moana também e ao todo éramos 4 casais. O guia deu as instruções e cada casal usava um jet sky e seguia o guia. Nós contornamos a ilha numa velocidade alta. Paramos em um motu para mergulhar e o guia nos deu várias explicações sobre o coco, leite de coco e óleo de coco que são produzidos na região. E é claro que tomamos água de coco!




Na minha opinião (feminina) esse é um passeio que os maridos adoram! A paisagem é a mesma do passeio de barco, com a diferença da adrenalina e da velocidade!

O último passeio que fizemos foi o “parasailing” e foi o único passeio que não fechamos com a agência. A Andressa nos passou o contato do barco e fechamos diretamente com eles. Você escolhe entre opções de tempo e de altura do passeio. O que posso dizer é que é incrível ver aquele mar do alto. A 300 metros de altura conseguíamos ver os tubarões e muitos tons de azul.

Nós fomos para a Polinésia em junho, na alta temporada. Embora seja uma época de menos chuva, choveu em todos os dias que estávamos em Bora Bora! Mas, como venta muito, na maioria das vezes a chuva durava no máximo 20 minutos e já voltava o sol, com dias muito bonitos. Por isso, não se desespere quando vir a previsão do tempo para o dia seguinte!

Mais uma vez eu agradeço a sua atenção e me coloco à disposição para qualquer dúvida ou questionamento!


Beijos,
Luciana


COMPARTILHE

TAGS:

sobre a autora

Posts Relacionados

1 comentários

  1. Nossa Luciana, adorei seu relato, bem detalhado e o seu roteiro é mais ou menos o que eu tô desejando fazer. Já entrei em contato com a Andressa, mas gostaria de tirar algumas dúvidas específicas com vc sobre essa questão do hotel IC e do cartão. Vc tem e-mail?

    ResponderExcluir