Paul Gauguin, o navio

Após alguns dias em San Francisco, na Califórnia, voamos para Papeete, de onde zarpamos com o nav...

Após alguns dias em San Francisco, na Califórnia, voamos para Papeete, de onde zarpamos com o navio PG, no dia 28 de agosto de 2013, uma aventura que durou 11 dias pelo Pacífico sul.

O roteiro incluia Huahini, Bora Bora (2 dias), Rangiroa, Fakarava, Taha´a, Moorea (2 dias) e Papeete, ponto de partida e chegada.




O PG é famoso por sua excelência em atendimento. Dizem, alguns, que é um navio classudo. E, embora seja um ambiente requintado, a esfera é descontraída, como o Tahiti.

O navio é all inclusive. Sim, qualquer bebida, qualquer comida, nos restaurantes, na piscina, nas cabines... Any time, at anywhere. Já estou com saudades dos drinks lindos, coloridos e deliciosos e da comida formidável.

Ao chegar na cabine, você se depara com  champagne e uma caixa de chocolates Godiva. Hummm! E os produtos de beleza na cabine são da L´occitane, um mimo só! 

Nossa cabine tinha uma varanda, de onde apreciávamos o diário pôr-do-sol. Simplesmente espetacular!


Eis um deles, partindo de Taha´a, com Bora Bora ao fundo. Lindo demais, não?


O navio tem capacidade para 332 pessoas, ou seja, é pequeno, mas sempre há o que fazer. Aulas de dança típica, de como dar nós e arrumar os pareôs, shows, karaokê, bingo, atividades aquáticas, e assim vai!      

Além disso, todo o equipamento de mergulho e flutuação está disponível aos hóspedes.                        


Nos fins de tarde, na área da piscina, a banda Le Quartet animava a partida de cada ilha. Combine isso ao sol se pondo... Também às noites, antes do jantar, eles davam uma palhinha no bar La Palette. Adorei, porque ouvi muitas das músicas que meu marido e eu costumávamos tocar no violão.

E para acabar a noite, mais música e diversão na boate.


O navio dispõe de passeios (pagos à parte) em todas as ilhas. 

Em Huahine, fizemos snorkel em um motu. Me arrependi por não ter pego o ônibus que o navio deixa a disposição dos hóspedes nessa ilha, para melhor conhecê-la.


Penso que os passageiros devem, necessariamente, descer em toda e qualquer ilha, sob pena de não "sentir" o Tahiti.



Regularmente, às noites, eram entregues jornaizinhos das cabines com a programação do dia seguinte. Na primeira noite, havia uma lista com as nacionalidades dos passageiros. Lá dizia que havia 3 brasileiros. E já na segunda manhã conhecemos no corredor do navio, a Vânia, uma carioca muito simpática, casada com o Jim, um americano muito gentil, que viajava com outros amigos da Califórnia.


E a Vânia nos disse que havia conhecido um casal do Recife... Opa! A conta não fechou...

Mas só fomos conhecer a Silvia e o Carlos lá pelo quinto dia de cruzeiro. A companhia deles  foi fantástica e deixou nossa viagem ainda mais animada!

Ambassadors of the Environment


Outro casal que não posso deixar de falar é da Janel e do Mac, de San Diego. Muita conversa e boas risadas! Nossos companheiros no parasailing em Bora Bora. Eles acreditaram que seria uma passeio para lá de divertido e se juntaram a nós. 

O segundo e o terceiro dia foram em Bora Bora, minha eterna menina nos olhos!

Primeiro dia, parasailing! Suspiro em lembrar da visão que se tem de lá de cima. 50 tons de azul- que não se ofenda Christian Grey! 

Em breve vou postar o vídeo, mas ainda tenho que editá-lo. 

Segundo dia, ilha privada do navio. Linda, pedaço de paraíso. Vou colocar mais fotos, em breve.

Rangiroa foi nossa terceira parada. Recebemos o convite do Capitão para observar os golfinhos da proa. Foi muito legal... Eram muitos deles e enormes, bem próximos ao navio.

Descemos do navio com o tender (chamam de tender o barquinho que leva as pessoas às ilhas) e saimos andando. Como eu já havia me hospedado no Kia Ora, fui até lá perguntar se eu poderia passar um tempo no hotel, o que foi prontamente atendido.

E tinha tanto peixe! Lindos e coloridos, de vários tamanhos e formas.

O dia seguinte foi em Fakarava, outra ilha conceituada entre os mergulhadores. Também decidimos andar por conta. Havia várias igrejas, a maioria católica. Em uma delas, vi um lustre todo de conchas, muito bonito e diferente. Preciso achar a foto para mostrar.

Nadamos um pouco nas águas límpidas de Fakarava. Enquanto Flávio procurava peixes coloridos, um belo e gigante tubarão limão passou a poucos metros de mim. Gritar ou não gritar; eis a questão....rs

Conheci uma senhora que vendia lagostas e que contou que na ilha há muitos católicos. Disse que um grupo de jovens havia vindo ao Brasil para ver o Papa. No fim, me ensinou a fazer um vestido com a canga que eu usava.

Taha'a foi a próxima parada. A ilha é linda e a chegada nela também foi mágica. O navio dispõe de uma ilha privada, onde se pode passar o dia ou algumas horas, e é servido almoço e bebidas ao longo do dia.

A Silvia e o Carlos, que estavam em lua de mel, fizeram uma cerimônia de casamento nessa ilha e foi muito emocionante! Se eles permitirem, publicarei as fotos.

Mais um dia agradável passou e o próximo foi em navegação, rumo à Moorea. Aproveitamos para tomar sol, relaxar, papear, dormir... Jantamos com o Capitão, à convite dos amigos brasileiros que estavam se casando no Tahiti e foi uma noite muito agradável. O capitão é sérvio, e as histórias de lá são deveras interessantes. 

A época em que estivemos por lá era das baleias. E na chegada em Moorea havia muitas delas. Um espetáculo à parte.

Fizemos o passeio de quadriciclo e foi bem interessante. Minha camiseta branca ficou vermelha, na volta havia poeira até na alma, mas foi divertido.

Subimos o Monte Belvedere, de onde se vê as baias Cook e Opunohu, passamos por plantações de abacaxi, estradas de terra e praias deslumbrantes. Se sua coluna não estiver em dia, não vá!

O segundo dia em Moorea foi para passearmos um pouquinho pela ilha. E, na partida, novamente fomos convidados à BRIDGE, central de comando do navio, onde pudemos observar a saída, por um lugar estreito, que requer muita habilidade.

Os meninos do blog MauOscar estavam na Polinésia na mesma época que eu. Foi uma pena não termos conseguido nos encontrar. Mas sei que eles curtiram a estada por lá.

Sábado, 7 de setembro, time to say goodbye!. Foram lindos dias ensolarados no paraíso que nos fizeram um bem danado! I surely could stay just a little bit longer!

Quer saber mais sobre o cruzeiro? Me escreve no tahitiehaqui@gmail.com

Acesse, também, o site www.pgcruises.com


COMPARTILHE

TAGS:

sobre a autora

Posts Relacionados

4 comentários

  1. Meus olhos brilham toda vez que vejo um post seu! Parabéns pelo blog, sduas dicas são sempre bem vindas. Quanto ao navio, deve ter sido muito bacana, mas acredito que ir ao tahiti tem que ficar naquelas famosas cabaninhas sobre a água ("bungalows") (rs). Ansiedade master para chegar minhas vez... Um beijo e parabéns pelo trabalho que tem feito no blog ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lari,

      Se você adora os posts, eu adoro seus comentários, sempre tão positivos!

      Minha opinião é que, numa primeira ida, o impacto é bem maior ficando nas ilhas e em bangalôs. O navio é ideal para uma segunda viagem.

      Também estou na expectativa para chegar a sua viagem... Agora falta pouco.

      Beijos,
      Andressa

      Excluir
  2. Andressa!

    Vou te mandar um e-mail, quero fazer esse cruzeiro em maio de 2016, 11 dias, com as ilhas cook. Deve ser um bom jeito de ser apresentada ao Tahiti não?!?

    :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carol,

      Está sumida do IG...

      Poxa, se é! Tenho certeza que você vai curtir muito o navio (cabine, comida, serviço) e todo o espetáculo do Tahiti e Ilhas Cook.

      Me escreve no andressamarinoni@gmail.com.

      Beijos,

      Andressa

      Excluir